Ajustamento entre cônjuges

        O problema da idade ideal para o casamento é muito influenciado por fatores sócio culturais, pelas necessidades psico emocionais dos parceiros, exercício profissional, falta de responsabilidade,  autonomia, e posição social entre outros.
Muitos pensam em casamento “por que chegou a hora”, “por que todos casam”, e antes havia similaridades entre os casais, como tendência para casamento entre pessoas da mesma religião, raça e classe sócio cultural.
Mas, o tempo passou e tudo se modificou, acarretando uma violenta transição nos costumes sociais e as pessoas passaram a orientar-se por sentimentos e caprichos na escolha dos cônjuges, relegando as considerações de bom senso para um segundo plano e está havendo uma deliberada inclinação à união de indivíduos díspares: na origem, no status, no nível cultural e social, na inteligência e nas necessidades psico emocionais. E, hoje, por conta disso dificilmente encontramos um casamento bem sucedido, com cônjuges capacitados e um ajustamento eficiente, dotados de boa comunicação, conscientes de suas responsabilidades e preparados para enfrentar os obstáculos naturais de uma estrutura familiar.
Mas, mesmo assim, maridos e mulheres tendem, com o tempo à similaridade de seus valores e existe hoje um sentimento de colaboração conjugal cada vez maior e seus traços de personalidade tendem a uma comparativa semelhança, com o passar dos anos, notando-se ainda que se estabelece um certo clima de respeito pelas tendências diversas que cada cônjuge apresenta.
Problemas sexuais na vida conjugal são muito mais frequentes do que se imagina: maridos mais calmos e estáveis tem muita dificuldade de aceitar esposas mais ativas e mais exigentes. Por seu lado, esposas mais sociáveis e mais ativas afetivamente criam problemas com seus esposos mais retraídos socialmente.
E, também são criados problemas pelas semelhanças nos traços característicos da personalidade: maridos e mulheres igualmente dominantes, igualmente egoístas, igualmente submissos.
Homens e mulheres casados tendem a tornar-se na vida conjugal aquilo que desejariam ser e procuram aplicar um no outro, o mesmo critério.
Existem tendências diversas em homens e mulheres, pois os primeiros são mais fortes fisicamente, sexualmente mais impulsivos e agressivos, tem mais valores econômicos e científicos, sendo, em geral mais dominantes e prepotentes em seus relacionamentos; e as mulheres são mais emotivas, tem mais valores artísticos, religiosos e morais e são mais cordiais e dedicadas em seus afetos e relacionamentos.
APESAR DISSO, O CASAMENTO REPRESENTA UMA SÉRIE DE ADAPTAÇÕES QUE, EM POUCOS CASOS, REALIZAM INTEIRAMENTE O SONHO CONJUGAL.
E, na maioria das vezes acabamos sendo aquilo que os outros esperam de nós: a família, o cônjuge, a sociedade, o sistema, etc., por que se assim não fizermos teremos que enfrentar as penalidades correspondentes.
Ainda algo sobre o estado emocional do cônjuge: encontramos com frequência cônjuges vítimas de fobias, depressões, síndrome do pânico e geralmente o cônjuge mais sadio tem dificuldades de aceitação, havendo mesmo tentativa de ocultar o problema dos vizinhos, amigos e familiares, e por esse motivo esses problemas permanecem sem tratamento, até se tornarem evidentes e incontroláveis.
Bem, esse é só um pequeno ensaio sobre problemas de relacionamentos e ajustamentos entre cônjuges.

JONIA RANALI

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.